sábado, 27 de outubro de 2012

Visitas importantes

O dia da visita estava agendado para o dia do animal, a quatro de outubro, mas como eles ainda eram muito pequeninos e não podiam deixar a mãe. Por isso tivemos que esperar. Ontem, logo de manhã, tivemos a grande alegria de os receber... Já estão crescidinhos, já podem estar um dia sem a mãe e, por isso vieram com o Rodrigo passar o dia ao jardim de infância.
De quem é que estamos a falar? Do Rodrigo e da Carlota, os coelhinhos anões do Rodrigo Coelho. E sabem que mais, ficámos com imensa vontade de ter um coelhinho só nosso, aqui na nossa sala. Então, querem ver como foi o nosso dia de ontem?

E para terminar... Em tempo de crise, soluções à vista?...

E para terminar este assunto desagradável e encerrar de vez a nossa "Quinta feira negra" deixo aqui a resposta ao comentário de um dos pais da sala. Assim tento também descansar os outros pais...(Este bloger anda louco e agora não deixa espaços entre as frases... o texto fica corrido... Bom, paciência...) Pai Fernando Muito obrigado pelas suas palavras e pela frase do Miguel Esteves Cardoso, muito sábia e verdadeira (Vou registá-la). Sem dúvida que a nossa conversa de início do ano, resultou. É isto que acontece quando a escola e a família unem forças para ajudar as suas crianças a desenvolver plenamente todos os seus talentos, dons, capacidades e potencialidades. E quando penso no seu filho e em todas as outras crianças do grupo, fico comovida. Eles são um dom e eu tenho muita sorte por poder estar diariamente com eles. Este é um grupo diferente dos que sempre tive em Valejas... É um grupo agitado e que não me dá tréguas, mas isso não é forçosamente mau, pelo menos para mim, pois obriga-me a mexer, a sair do marasmo, a afinar estratégias, a adaptar-me e a reiniciar. O que me zangou na quinta feira foi o facto de uma das crianças, que vinha cheia de sono e portanto implicativa e muito agressiva para com os pares, num dos seus momentos de descontrole,me ter dado um "estalo", involuntário bem sei, porque esta criança tem uma força imensa e quando está agitada, tem um descontrolo dos membros que me assusta. E o "estalo" que era destinado ao Santiago e que me apanhou pelo meio quando tentava acudir à situação, foi de tal forma violento, que me partiu os óculos e me fez rebentar o sangue do nariz, a mim que sou grande e bem gordinha... Imagine que tinha atingido o seu filho, ou uma criança das mais pequenas. Compreende agora a razão da minha zanga... Isto não pode continuar a acontecer. Isto é um risco que eu não quero correr. Mas também não há nada a fazer, porque o encarregado de educação, quando chamado à razão tem 3 argumentos: O primeiro é dizer que eu embirro com o menino porque não lhe faço as vontades. O segundo é dizer que acha que a organização da sala tem que mudar porque o menino não gosta dela como está, não gosta de estar no tapete, não gosta de vestir a bata, não gosta de trabalhar, nem gosta dos outros meninos, não gosta da escola... e o terceiro é que ele, encarregado de educação, não gosta que o menino chore. Pois eu digo aqui e bem alto. Este encarregado de educação vai chorar muito. Não agora, mas daqui a dois ou três anos e depois já vai ser muito tarde... Quando eu era pequena, a minha Mãe que na sua sabedoria de vida dura e simples de quem já tinha criado outros quatro filhos durante o tempo da grande guerra, repetia-me constantemente uma frase que eu detestava, mas que agora percebo o quanto me foi útil pela vida fora. Ela dizia: "Chora filha, chora muito. Antes quero que chores tu hoje, do que eu amanhã!" Pois é isto mesmo que vai acontecer a alguns Pais... É que vão chorar muito amanhã. A minha mãe referia-se à adolescência, mas com o rumo que as coisas levam estes Pais nem lá vão chegar, vão começar a chorar logo na entrada do primeiro ciclo. Mas descansem pais, isto não tem nada a ver com a maioria dos vossos filhos... Eu sou sempre direta e não consigo esconder o que sinto. Por isso, quando algo não está bem eu digo logo e digo-vos diretamente, não mascaro nem disfarço situações. E agora voltemos de novo à criança ou às crianças em causa... Tal como já disse, este descontrole e esta agressividade é um risco que não quero, nem posso correr.O que é que vou fazer? Vou seguir o conselho de Sebastião da Gama e vou amar. Vou pegar na criança ao colo, vou dar-lhe mimo, vou chamá-la a mim, porque é óbvio que esta criança não está preparada para viver em sociedade. E acho que, neste caso, a sua adaptação e sucesso futuro depende apenas de mim e dos seus pares que são, sem dúvida os melhores aliados do mundo. E não vou baixar os braços, vou montar guarda, vou estar sempre vigilante. Também vou assinalá-la desde já, (vou pedir ajuda à colega do apoio e à saúde escolar que sempre se mostrou um excelente aliado) porque acho que esta, como qualquer criança tem direito a todas as oportunidades e tem direito a ser feliz. Porém também tem deveres. Vamos ver... Também ainda só estamos em Novembro. Eu sei que nos outros anos já tínhamos feito um milhão de aprendizagens e de coisas divertidas. Mas eu tenho que pensar que este ano é diferente, tal como foram os anos da Brandoa, e mesmo assim deram muitos frutos. Este ano os frutos talvez não sejam tão a meu gosto, mas também não está escrito em lado nenhum que eu tenho que gostar de todos os frutos e como em educação de infância são eles que marcam o ritmo, vamos lá a desacelerar... E os frutos justos, certamente chegarão! Voltamos a falar deste caso lá mais para o fim do ano... Eu tenho a certeza que ainda vou ter grandes coisas a dizer acerca deste menino...

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

"Raposa que dorme, não caça galinhas"

Pois aqui está um ditado muito verdadeiro em educação... Se nos deitamos a dormir e se nos distraímos, se não estamos atentos a cada momento e se não abraçamos cada momento com verdade, corremos o risco de mascarar as coisas, de pintar a vida cor de rosa e de tornar tudo monótono, sem cor e sem vida. E na vida nem tudo são rosas... o dia de ontem obrigou-me a fazer uma pausa e a pensar... Obrigou-me também a traçar prioridades, a repensar objetivos e a refazer estratégias... Obrigou-me também a fazer algumas coisas com que nunca concordei, mas como "quem não tem cão, caça com gato", tive que deixar posições e ideias de lado e que me adaptar à realidade que, tal como já disse não tem sido fácil, mas que me recuso a ignorar ou a deixar correr. Se o meu papel de raposa é calçar galinhas, ainda que não goste muito de frango, vou à caça! O dia de ontem foi complicado, mas as crianças merecem que eu não desista de caçar... Por isso, talvez porque estou preocupada e isso tira-me o sono, levei a noite a pensar. É verdade que há crianças que perturbam, e muito... É verdade que há crianças que não respeitam os pares, os adultos, nem a si próprios... É verdade que há pais que se esquecem que a sua função de pais é educar e ajudar a crescer plenamente e não o fazem. Mas todos, sem exceção são crianças, bem ou mal educadas, mas acima de tudo crianças. E qual é o meu primeiro objetivo? O meu primeiro objetivo é que cresçam felizes e desenvolvam plenamente as suas capacidades e esse é um objetivo holístico, que tem que abranger todas, mas mesmo todas as crianças da sala. Portanto, pensei, pensei e, para já, implantei três medidas: 1 - Mesmo detestando criei um mapa de autocontrolo e diariamente, ao fim do dia, em conversa de grande grupo, avaliamos o comportamento e desempenho de cada um ao nível da socialização, do respeito por si, pelos pares e pelos adultos, das regras básicas de boa educação e conduta. Este mapa vai para casa diariamente. Já o fizemos hoje e até correu muito bem. Vamos manter este quadro até que todas as crianças consigam dominar plenamente o seu auto controle. 2 - Recomeçar o diálogo com os pais das crianças que ainda não conseguem viver em grupo. Outra tarefa difícil, mas imprescindível, pois só aliando forças é que conseguiremos trazer estas crianças ao grupo. Também já comecei... Sabem, é muito difícil ter que dizer a um encarregado de educação, que ama o seu filho mais do que tudo, que o caminho que está a seguir não é de forma nenhuma o mais adequado para ele. Por vezes esta postura até nos traz alguns dissabores... Seria mais cómodo fingir que está tudo bem e deixar correr... Mas é de crianças que estamos a falar, é o futuro que estamos a formar e deixar correr não é de forma nenhuma a melhor aposta. 3 – Criei o “cantinho de pensar”, e quando algum deles começa a perder o controlo, tem que se sentar, que descansar e pensar nas suas atitudes. E acreditem que hoje já houve quem lá dormisse uma “soneca”, porque muito do descontrolo destas crianças tem a ver com o cansaço e com a sua falta de sono. Hoje o dia correu melhor, com mais ordem, cheio de surpresas e de coisas boas… Correu melhor, sem sobressaltos. Vamos esperar que a nova semana que está para chegar seja uma semana rica em aprendizagem e felicidade…

Passo a passo vamos conquistando os nossos dias...

Os dias vão passando e o grupo vai-se delineando, mas tem sido muito difícil e duro para mim e para a maioria das crianças. Sendo um grupo onde os rapazes predominam, é por natureza agitado, barulhento e conflituoso. Claro que nem todos os rapazes são assim, felizmente, mas basta haver duas ou três crianças agitadas para que todo o grupo se transforme e até as brincadeiras no recreio se tornaram agitadas e perigosas. É pena... Muita pena que duas ou três crianças a quem nunca foram impostas regras nem limites e que portanto foram crescendo sozinhos, sujeitem um grupo inteiro aos seus caprichos e falta de educação. Porque depois o que acontece é que o adulto que está encarregado de os guardar, porque é isso que acontece este ano, pois estamos no início de Novembro e eu ainda apenas consegui guardar, tem que tomar medidas drásticas, e uma postura autoritária para conseguir evitar acidentes e ensinar a "estar" em grupo bem como as regras básicas da vida, aquelas regras que compete aos pais ensinar, uma vez que na sala ainda há algumas crianças, cujo autocontrolo e o respeito pelo outro e por si próprio nunca foi treinado, nem sequer experimentado. E as actividades preparadas, por mais estimulantes que sejam, perdem-se completamente na excitação e na falta de interesse e de atenção de algumas das crianças. Eu sei que os tempos não são faceis, que os pais estão muito ocupados, mas têm mesmo que começar seriamente a pensar naquilo que querem para os vossos filhos. Felizmente que a maioria das crianças é interessada e educada e nessas até já se nota alguma evolução. De qualquer forma é impossível pensar em pôr em prática qualquer tipo de atividade diferente. É impossível pensar em festejar os dia das bruxas ou em pedir o pão por Deus, enquanto houver crianças que em Novembro ainda fazem birras à entrada da sala porque não querem vestir a bata, e encarregados de educação que "tentem a MEDO" convencê-los, com mentiras, que têm que o fazer. Não há que convencer... A bata é para vestir e pronto. Não há argumento que uma criança de quatro anos possa impor ao adulto em relação a isso e a outras regras criadas em conjunto por todos nós. É uma regra e as regras são para cumprir. Ou os adultos pensam que os vossos filhos vão passar a vida inteira sem cumprir regras? Todos nós cumprimos regras básicas para viver em sociedade e é em criança que isto se aprende. E que me desculpem estas palavras duras, os pais que educam os seus filhos, pais esses que felizmente,aqui na sala,ainda são uma maioria. Ontem o dia foi muito difícil. Atingiu o auge. Não é possível ser pior. E eu também atingi o meu limite. Porém a partir de ontem virámos a página, e as crianças a quem nunca é dito um não, a quem nunca foi imposto um limite, que cresceram como se fossem únicos e portanto não estão preparados para viver em sociedade, a partir de hoje vão deixar de poder estar todo o dia a aborrecer os outros. A sala vai avançar com o seu plano e rumo aos objetivos traçados. Vamos avançar com um mês de atraso, mas vamos avançar. E acabou-se o compasso de espera e a tentativa de integrar estes meninos na turma e os tornar uma turma compacta e coesa. Não podemos deixar o grupo inteiro ficar refém de algumas crianças, cujos pais se recusam a ser pais ou se esquecem de que são pais e de qual é que é a sua função e papel como pais em relação aos seus filhos e vamos avançar. A partir de hoje, os meninos vão levar diariamente para casa a avaliação do seu desempenho no grupo e do modo como cumpriram as regras da sala e de como executaram as tarefas propostas. E os meninos que até ontem se movimentaram no grupo onde estão inseridos como se fossem únicos,como se todo o grupo tivesse que se reger segundo os seus caprichos e desejos, vão deixar de poder brincar e vão ter que descansar na escola o que não descansam em casa, vão ter que pensar, e vão trabalhar em dobro até conseguirem aprender a estar com os seus pares e a ser construtores desta pequena sociedade que é a nossa sala de aula. Ontem, através de um encarregado de educação, recebi um texto que parece vir mesmo a proposito. Deixo-o aqui... É triste pensar que uma coisa destas foi escrita, mas a verdade á que, infelizmente se aplica a muita, muita gente. A mudança está nas nossas mãos... 10 REGRAS PARA CRIAR FILHOS.... DELINQUENTES 1ª Comecem cedo a dar ao vosso filho tudo o que ele quer. Assim ele convencer-se-á, quando crescer, de que o mundo tem obrigação de satisfazer todos os seus caprichos. 2ª Se, enquanto pequeno, o vosso filho utilizar expressões grosseiras, achem-lhe graça. Isso fará com que ele se convença de que é espirituoso e levá-lo-á a refinar a sua linguagem… 3ª Não lhe dêem educação nem princípios morais. Esperem pela sua maioridade para que, feitos os 18 anos, seja ele a fazer pessoalmente a sua escolha. 4ª Evitem recriminá-lo, para que ele não crie um complexo de culpa. Estes complexos, como toda a gente sabe, não deixam que as crianças desenvolvam a sua personalidade. 5ª Façam sempre tudo aquilo que devia ser o vosso filho a fazer. Arrumem as suas coisas e apanhem o que ele deitar para o chão. Desta maneira se habituará a empurrar para os outros as suas responsabilidades. 6ª Deixem que o vosso filho leia e veja tudo o que lhe vá parar às mãos. Tenham o maior cuidado em esterilizar os talheres, os pratos e os copos, mas deixem que o seu espírito se alimente de imundices. 7ª Discutam e zanguem-se em frente dele. Isso é muito útil para que ele se convença de que a família é uma instituição nociva e de que não deve qualquer respeito aos seus pais. 8ª Dêem-lhe todo o dinheiro que ele quiser. Evitem que ele o ganhe com o seu trabalho ou através do seu comportamento. Continuem a pensar que tem tempo e que tem que ser feliz enquanto é jovem. 9ª Satisfaçam todas as suas exigências ou caprichos, no que se refere a alimentação, vestuário e conforto, a fim de que o vosso filho não possa nunca sentir-se frustrado. As frustrações, como se sabe, não permitem que a personalidade se revele e torna as pessoas mais infelizes. 10ª Defendam sempre o vosso filho! Dos seus amigos, dos vizinhos, dos professores e até -principalmente - da polícia. É tudo gente desprezível que apenas pretende embirrar com ele... (Adaptação de um panfleto da Polícia de Houston, Texas, distribuído há alguns anos a todos os habitantes da cidade)

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Estamos de parabéns

Estamos de parabéns e muito, muito felizes! Pela quinta vez, desde que iniciámos a nossa aventura eTwinning,vemos os nossos projetos serem reconhecidos como projetos de qualidade pela europa. Hoje três dos nossos projetos receberam o "Selo de Qualidade Europeu". Foram eles "Adventure with chememestry", desenvolvido no âmbito do Ano Internacional da Química em parceria com o Departamento de Quimica e Bioquimica da Faculdade de Ciências de Lisboa, "Kindergaten without pré toys, desenvolvido no âmbito de Ano Internacional do Envelhecimento ativo e que trouxe muitos avós à escola, uma experiencia única e enriquecedora e "What a wonderful world" baseado na Teoria das "Múltiplas inteligências" de Howard Gardner. Estes projetos foram desenvolvidos em parceria com diversas escolas e Jardins infantis europeus,nomeadamente da Polónia, Bulgária, Roménia e foram uma mais valia para as crianças e para os seus professores. Estou muito orgulhosa e sobretudo muito, muito FELIZ! A todos os que nos possibilitaram este momento, muito obrigado!
O Email que recebi dos serviços centrais europeus dizia: "Caro/a maria luz borges, Parabéns! A sua escola foi distinguida com o Selo Europeu de Qualidade pelo excelente trabalho do projecto eTwinning "Adventure with chemistry"... Isto significa que o seu trabalho, o dos alunos e a sua escola obtiveram um reconhecimento ao mais alto nível europeu." Tenho ou não motivo para estar feliz e orgulhosa? As nossas crianças são fantásticas!!!

domingo, 21 de outubro de 2012

Semana da alimentação

Esta foi uma semana trabalhosa e um bocadinho atribulada. Sempre que nos ocupamos demasiado, as coisas não correm tão bem. Porem teve que ser assim pois o trabalho desta semana tinha um objetivo: Levá-los a tomar consciência da importância de uma alimentação saudável. No final da semana, tal como todas as semanas, fizemos a avaliação e eles sabiam a lição de cor... Estavam vencidos, mas não convencidos. E eu, mais uma vez, cheguei à conclusão que nem sempre os planos resultam. No papel a semana estava perfeita. Na realidade foi uma semana pesada e compacta o que os cansou imenso e se tornou contraproducente. Esta semana, tão perfeita no papel, tornou-se agitada e dada à instabilidade. E eu que queria tanto que eles aderissem à sopa e à salada não consegui motivá-los. Eles não gostam mesmo das palavras. Quando disse que íamos fazer "uma salada de fruta", a resposta foi unanime: "Ai eu não gosto!". Mas quando falei em picnic de fruta já todos aderiram. Por acaso não houve tempo para a fazer e adiámo-la para amanhã. E eu vou aproveitar isso e fazer uma experiencia; Vou dividir a salada de fruta por duas taças. A uma vou chamar "Salada" e a outra "Picnic de fruta". Vamos ver o que acontece... Por agora deixo-vos com um resumo da semana Estamos a aprender a usar o microfone e a gravar som no computador. Esta semana gravámos duas músicas. Uma tem a ver com a alimentação. A outra é a que nós mais gostamos. Aqui ficam elas... Então gostaram? Nós usámos estas canções porque vos queremos fazer uma pergunta... O que é que elas têm de semelhante? Já descobriram? Depois quando nos responderem, nós contamos qual foi a nossa conclusão. E o que é que acham das nossas vozes? Somos ou não uns grandes cantores?

domingo, 14 de outubro de 2012

Pouco a pouco...

Pouco a pouco vamos ajustando as nossas pétalas e, da agitação que têm caracterizado estes primeiros tempos, vai surgindo uma classe, a nossa classe! E eu? Eu vou-me perdendo neles, nas suas brincadeiras ruidosas, na sua alegria, na sua criatividade e vou-me transformando também. Estou completamente cativada! E porquê tão longa ausência? Bom, não foi por querer, foi apenas porque não consegui passar por cá... É que, durante o mês de agosto, em que não estou com as crianças e portanto parece-me ter todo o tempo do mundo uma das coisas que costumo fazer é planear as formações para o ano letivo e depois, se as quero levar a bom porto tenho que me empenhar. É o que está a acontecer agora. Tenho em mão três formações que não me deixam tempo para estar convosco, com muita pena minha. Por isso, e porque vos quero mostrar um bocadinho do que se faz na sala, deixo-vos com a apresentação que preparei para a reunião de pais. Assim que puder volto... Uma boa semana

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Dias intensos...

E os nossos dias continuam, agitados e intensos, ou não fosse esta uma sala com 19 rapazes e 6 raparigas, mas mesmo assim felizes e cheios de vida. Não dá para parar, mas já se começa a conseguir estar em grupo e a saber ouvir "o outro". Ontem ao fim da tarde, depois de um dia cheio de atividade e brincadeiras ruidosas, enquanto esperávamos a chegada dos pais, o Guilherme Palma, um dos mais novos da sala, pediu para cantar uma canção. Deixo-a aqui....
 
 
 

São assim os meus amigos... Grande Guilherme!