segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Aranha, anha...

Por mais que se façam bons planos, por mais que se programem as actividades, a vida no Jardim-de-Infância vai ao encontro dos interesses das crianças e portanto, muitas vezes, o melhor que há a fazer, é esquecer os planos previamente feitos e viver o momento presente.
Foi o que aconteceu hoje...

Hoje, quando chegámos à sala, tivemos uma surpresa. Durante o fim de semana, uma aranha construiu a sua teia mesmo no cantinho do nosso tapete, onde costumamos conversar.

Claro que esta localização gerou logo uma grande confusão. As meninas gritavam, os rapazes discutiam sobre o futuro do bichinho e eu observava tudo aquilo impotente sem saber o que fazer, quando de repente me veio à cabeça o poema de Matilde Rosa Araújo:

"Aranha, anha
Tão muda e mole
Tem fio de lua
Que tece ao sol..."

E comecei a recitá-lo.

Talvez pelo ritmo, pela rima, pelas palavras diferentes, ou até porque a aranha, assustada com a algazarra, acabou por fugir para baixo do armário, o que é certo é que eles acalmaram e foi possível começar uma grande conversa sobre as aranhas. Como são, os seus hábitos, o que comem, como vivem, qual o seu papel na natureza... E fomos pesquisar.

Já sabemos que não são insectos, mas que pertencem à família dos aracnideos. Também sabemos que têm quatro pares de pernas, que têm o corpo coberto de pelos, que não têm asas nem antenas, que o seu corpo se divide em duas partes, e que gostam de comer insectos. (Wikipédia)

- Moscas e mosquitos? - Perguntou o Gonçalo

Perante a minha resposta afirmativa, a Matilde Queiroz, fez uma careta e comentou: - Bhlac... que porcaria! Não podiam antes comer massinha com carne! É por isso que eu não gosto de aranhas...

Mas rendeu-se. A aranha conseguiu escapar com vida e foi adoptada. Fica a viver na nossa sala e até já tem nome. Chama-se Carlota.

Por agora ainda vive escondida por baixo do armário e penso que, com o susto que apanhou, tão depressa não se atreve a sair de lá. Mas quando sair, nós já temos as lupas prontas. Queremos conhecê-la e observá-la muito bem.

Palpita-me que esta vai ser uma actividade verdadeiramente integradora...

Carlota, ainda bem que vieste viver connosco !



11 comentários:

M. Jesus Sousa (Juca) disse...

Espectacular, nem mais nem menos.
Simples, mas completo.
Vai ser certamente uma actividade integradora, e também motivadora!
Parabéns à Carlota, que é uma sortuda, arranjou uma bela sala para viver...

Bjs, Juca

Alda disse...

Deixo aqui a propósito um travalínguas que a minha mãe me costumava dizer (É para ser dito bem depressa. "É uma jarra e uma aranha. Nem a aranha arranha a jarra nem a jarra arranha a aranha"
Experimentem e depois contem como foi, vai dar motivo a grandes risadas pela certa.
Beijinhos da Alda

Anabela Santos disse...

Olá Luz e meninos,
Já tinha muitas saudades de por aqui passar e de ver as boas ideias que tão bem aproveitam para trabalhar.
Conhecem esta? (encontrei-a na net, mas já não sei se era assim)

Tece a teia na aldeia
uma aranha muito feia,
Que não sai da sua teia.
Se lhe toco, ela rabeia
e as patas esperneia.

Aprendam muito,
beijinhos
Prof. Anabela
BLOGando na Escola

janeiroacabado disse...

Fantástico Luz! Só mesmo tu! Parabéns pelo trabalho! Beijinhos :) Estela

Célia disse...

Olá!
Adorei a partilha e esta história da aranha Carlota simples mas maravilhosa.
Beijocas dos Fofos

Maria da Luz Borges disse...

Obrigado Alda pela lengalenga. Amanhã já experimentamos e depois logo contamos como foi!
Luz

Maria da Luz Borges disse...

Obrigado Anabela
Maids uma poesia para o nosso "grande livro dos poemas"
Vamos trabalhá-lo e depois contamos como foi!
Bom recomeço
Luz e meninos de Valejas

Maria da Luz Borges disse...

Estelinha
Que saudades!
como é que está tudo por aí por Fitares?
Até sexta feira e obrigado pelos miminhos
Luz

Maria da Luz Borges disse...

Juca
Obrigado pelas tuas palavras!
Rápidas melhoras
Luz

rosarinho disse...

Olá Luz,
Que belo projecto!
Aqui te deixo uma poesia que tenho nos meus materiais.

QUANTAS PERNAS TEM A ARANHA?
E QUANTOS BRAÇOS ELA TEM?
PARA CONSTRUIR SUA CASA,
TRABALHA COMO NINGUÉM!

VIVE SOZINHA, A COITADA...
MAS TAMBÉM, QUEM SE ARRISCA
A CAIR EM SUA TEIA
PRA FAZER-LHE UMA VISITA?
(ANDRA VALLADARES)

Pode-se cantar com a melodia de "Lá vai uma, lá vão duas..."
beijocas e continua assim...Iluminada.
beijos dos fofos e da Rosarinho

Maria da Luz Borges disse...

Obrigado Rosarinho, é o máximo!