terça-feira, 30 de dezembro de 2008

E para um grande final...


...Para um grande final, conto como se passou a nossa última semana neste primeiro período.
Como as actividades, as novidades e as surpresas foram muitas, só podemos contar resumidamente, mas mesmo assim queremos contar. Então vamos lá...
A 3ª semana de Dezembro foi uma semana muito cheia de actividades. Assistimos a uma peça de teatro,"De onde vêm as palavras más". Fizemos bolinhos de Natal para nós e para os nossos pais, recebemos um presente lindo dos nossos amigos do JI de Rio Côvo em Barcelos, fomos à festa de Natal que a Junta de Freguesia da Brandoa nos preparou, levámos os presentes de Natal para as nossas famílias e também recebemos alguns presentes. Resumindo, foi uma festa.
Querem ver como foi? Então olhem com muita atenção...


segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Para ti, de todos nós!...


Com mais um Ano a acabar
Outro Ano novo começa...
Um Ano novinho em folha,
com muitos dias à estreia,
todos juntos, em cadeia
e amena sucessão.
Que maravilha!...

Mais um Ano. Muitos dias…
Faz medo vê-los correr…
Corrida vertiginosa,
toda feita de momentos,
e instantes desiguais.
É por demais valiosa,
e de tal forma preciosa
que não se pode perder…

…Sucessão louca de dias,
todos em branco, novinhos,
à tua espera, cheiinhos
de surpresas, e não só!
E se os viveres com cuidado,
amando quem passa ao lado,
será um ano a valer.

Feliz 2009
Luz e Meninos

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

"Cozinhando uma história"....

Na segunda feira, aconteceu uma coisa muito estranha. No cantinho da leitura estava uma panela antiga,muito pesada, uma grande colher de pau, um avental aos quadradinhos azuis e uma mensagem que dizia assim: "Olá meninos, eu sou a cozinheira de histórias e preciso de uma história de Natal muito fresquinha. Têm aqui os utensílios necessários para a escrever. Tudo o que precisam é de descobrir quais são os ingredientes das histórias de natal, deitá-los dentro da panela, misturá-los bem, dizer as palavras mágicas e deixar a panela a descansar uma noite. Vão ver que história bonita são capazes de fazer nascer".
Ficámos todos entusiasmados e decidimos logo ali dar início ao trabalho.
Cada menino disse um ingrediente de natal, deitámo-los para a panela, misturámo-los bem com a colher de pau e pusémos a panela a descansar no cantinho da leitura.
No outro dia, logo de manhãzinha, mal chegámos à sala, fomos a correr ao cantinho da leitura, mas não tínhamos história nenhuma. No seu lugar estava um livro em branco que, na primeira página, tinha outra mensagem, só que desta vez estava escrita com umas letras gordas que ninguém conseguia ler. Depois de todos a observarem bem, o Leonardo sugeriu que procurássemos um menino grande porque aquelas letras, pareciam as letras que os meninos grandes escrevem nas paredes e que, segundo o seu Pai diz, só eles é que conseguem ler.(Grafitis). Tivemos sorte, porque o irmão do Christ, que já "é um bocado grrande", como diz o Christ, estava a chegar e traduziu - nos a mensagem. Esta dizia que, como nos tínhamos esquecido de dizer as palavras mágicas, agora tínhamos que ser nós a escrever a história no livro.
Desde aí tem sido uma azáfama. Todos querem escrever uma história no livro. Temos escrito tanto que ele já está quase cheio. E em conjunto, no tapete criámos mesmo uma história redonda sobre o natal. Estamos a preparar um Power point, que quando estiver pronto, publicaremos aqui no blogue. Por agora vamos apenas publicar as fotografias da actividade. Querem vê-las?




Então, gostaram das nossas histórias?

domingo, 14 de dezembro de 2008

Boas Festas


Aos amigos que nos visitam regularmente desejamos um Natal cheio de Paz e um Ano Novo carregadinho de coisas boas, todas aquelas que mais desejam.
Luz e Meninos da sala 4 do JI Brandoa 2

Da discussão nasce a luz...


O Rodrigo Simões, de 3 anos, passou uns dias de férias em Moura, com o Pai. Regressou na sexta-feira,muito mais crescido, muito feliz e carregadinho de coisas novas para contar.
Contou que lá na casa de Moura tem «um cão, outro, e mais outro. Lá em casa temos três "cãos"», e que em Moura há muitos animais. A "Ti Gracindinha", tem mais de dez galinhas que comem milho amarelo, couves e que depois põem muitos ovos redondinhos.
Também nos contou que viu um porco cor de rosa, mas que estava todo sujo e parecia castanho. Então perguntou aos amigos: - Sabem porque é que ele se chama porco? Porque se rebola na lama.
A Érica, de três anos, que recentemente esteve na Vidigueira com os pais e os avós não concordou e prontamente explicou que eles se chamam "pôcos", porque "cheilam" mal, e que "cheilam" muito mal "poque" nunca lavam " o labo".(l=r)
A Lia também quiz falar e disse que já tinha visto um porco a comer e que ele era porco porque comia com os pés dentro do prato da sopa.
Então o Leonardo, com toda a sabedoria que os seus cinco anos lhe permitem, e fazendo valer o seu papel de mais velho explicou que os porcos não eram nada porcos, porque ele já tinha ouvido dizer na televisão que os porcos são animais muito limpos e que só se sujam todos porque têm a casa toda suja, pois os donos não lhes limpam as casas. Também lhes disse que se eles se rebolam na lama é porque são como os elefantes, que se rebolam na lama para se protegerem das moscas e do calor.
Muito bem Leonardo, sabes mesmo muitas coisas!!!

sábado, 6 de dezembro de 2008

Integração ou o milagre da diferença.


Semanalmente, quando faço a avaliação, costumo escrever aquilo que mais se destacou das actividades ou do trabalho da semana.
Esta semana, aquilo que mais se destaca é, sem dúvida, o "salto" que o Ibraíma deu, no seu relacionamento com os adultos e com os pares.
O Ibraíma, de 5 anos, está na nossa sala desde os três. Chegou da Guiné Conacry, sem dominar uma única palavra de Português. Tinha a sola dos pés calejados, como quem está habituado a correr em liberdade e, assim que chegava à sala, tirava os sapatos, as meias e as calças e saltava pela janela, como se o espaço da sala de aula fosse demasiado pequeno para ele.
Como não conseguia comunicar, chorava e batia nos outros meninos... Que difícil foi!
Pouco a pouco, com muita paciência, muito carinho e a ajuda dos amigos, começou a comunicar mas, como em casa só se fala "fula", um dialecto tribal,a aprendizagem da língua tem sido muito complicada.
O Ibraíma é uma criança instável e um bocadinho agressiva. Tem uma fraca auto estima e raramente está feliz. Quer sempre ser o primeiro e o único e, se lhe digo que não, e muitas vezes tenho que lhe dizer, porque a vida também é composta de nãos, fica insuportável.
Já começava a desesperar de conseguir uma integração plena, quando chegou o nosso milagre. Chama-se Carlos,é multideficiente e depende totalmente de nós, pois não fala, não se senta, vê mal, não se mexe sozinho, não controla os esfinctares e é alimentado por sonda.
Quando o Carlos chegou, lembrei-me que esta podia ser a oportunidade ideal para que o Ibraíma se sentisse indispensável. Assim, propus-lhe que fosse o padrinho dele e expliquei-lhe que o padrinho é aquele que ajuda, que cuida e que nunca pode abandonar. Ouviu com muita atenção, adorou a ideia e leva-a muito a sério. Pouco a pouco foi perdendo a sua agressividade e até já fala um bocadinho melhor. Tem-nos estado a ensinar Fula e parece outra criança,pois está muito mais crescido e responsável. E ontem...
Ontem o milagre funcionou... O Carlos não veio e eu, para ocupar o Ibraíma, pedi-lhe ajuda. Ele sentou-se ao pé de mim e, vindo do nada, começou a contar como era a sua casa em África, como era pequena, não tinha chão, nem casa de banho, que perto havia um rio pnde moravam muitos corcodilos e muitas, muitas coisas...
Foram precisos três anos, carradas de paciência e um menino deficiente profundo a necessitar de ajuda, para finalmente o ver aberto, seguro e feliz!!!
Perguntei-lhe se queria contar estas coisas aos amigos. Respondeu que não. Há que esperar e respeitar...
Espero que ele o consiga fazer. Acho que lhe ia fazer bem... O que será que o impede?
E se ele contar, tenho a porta aberta para, com eles, explorar o mundo e os povos que nele vivem.
"Vamo vê...", como diz o Alex de 3 anos.
Por agora, tudo o que quero é que eles, todos eles, sejam felizes!!!

Os nossos presépios...


Já lá vem,já lá vem,
O Natal já está à porta.
Que alegria, que alegria,
Não há outro dia igual
Boas festas, boas festas
para todos este Natal,
para todos este Natal.
(Canção Infantil)

Com o Natal à porta, a vontade de viver um Natal diferente e a certeza que era preciso envolver os pais nesta vivência que queríamos que não fosse consumista, mas voltada para os outros, o Agrupamento lançou um desafio às famílias e às escolas: Construir um presépio com materiais reciclados,que ficará em exposição até dia 18 de Dezembro e que mais tarde será encaminhado para instituições de apoio social.
No nosso Jardim de Infância,as 4 salas construíram um em conjunto e 10 famílias, das 90 que temos, responderam ao apelo.
Aos pais que "ganharam tempo" criando com os seus filhos, um presépio para oferecer, um IMENSO OBRIGADO e PARABÉNS. Os vossos trabalhos ficaram lindíssimos.


quarta-feira, 3 de dezembro de 2008




No nosso Jardim de Infância estamos a preparar o Natal e mesmo à entrada fizémos um presépio.
Querem ver como ficou?
O cestinho de outono que está ao pé do menino Jesus, foram os nossos amigos do JI do Cruzeiro, em Viana do castelo que nos enviaram, e como é muito bonito, nós quisemos pô-lo mesmo ao pé do Menino Jesus.
Boas Festas para todos.
Luz, Sónia e Meninos

domingo, 30 de novembro de 2008

Obrigado pelos "miminhos"


A todos os nossos amigos que tão positivamente têm vindo a comentar o nosso trabalho, obrigado pelos vossos miminhos!
Ficamos mesmo muito felizes quando sabemos que andaram por cá!!!
Luz e meninos

sábado, 29 de novembro de 2008

Será a matemática assim tão difícil?


A semana decorreu muito bem e sem incidentes de maior. Eles são muito engraçados, calmos e já se organizam bastante bem sozinhos.
A massa de cores continua a ser uma das actividades que eles mais gostam e decidimos fazer bolinhos de natal porque o entusiasmo pela massa foi grande. Assim, temos mais um motivo para medir e pesar.
Já fizemos o presente para os pais, que correu bem. Fizemos um presépio com massa de modelar e portanto eles fizeram muito bem.
Na 6ª feira, aproveitámos o facto de ser o último dia do mês, para fazer contagens. Eles adoraram e passaram o dia a contar.
“Nós sabemos que as crianças são construtores activos do seu conhecimento matemático e que a sua actividade não é independente do ambiente educativo (Becker e Selter - 1996).
Por isso, na nossa sala, a matemática é muito importante.
Com o objectivo de reconhecer e interpretar problemas encontrados na vida diária, de traduzir esses problemas para um contexto matemático, de formular e comunicar os resultados, ontem, que foi o último dia de escola do mês de Novembro, contabilizámos as actividades do mês, enquanto os pequeninos de três anos se divertiam com massa de cores, que é uma das suas actividades preferidas.
Os meninos crescidos, de quatro e cinco anos, estiveram a observar, a contar, a registar e a interpretar os registos que, ao longo do mês, fomos fazendo no mapa do tempo e no das presenças. Foi, como sempre, um entusiasmo e a manhã acabou por passar bem depressa.
Começámos com a lengalenga dos dias do mês:
" Trinta dias tem Novembro,
Abril, Junho e Setembro
Vinte oito só há um,
E os mais são trinta e um."
Depois de repetir a lengalenga algumas vezes, e de a escrever no quadro, conseguimos finalmente descobrir que Novembro tem 30 dias. Com a ajuda do calendário, recontámos os dias para os confirmar(O Rodrigo conseguiu contar até 30), descobrimos que estivemos 20 dias na escola, e que ficámos em 10 dias em casa.
Depois fomos buscar o "gráfico do tempo", onde diariamente uma das crianças cola um quadradinho de cor diferente, equivalente ao tempo que observou no caminho para o Jardim de Infância, e constatámos que houve 12 dias de sol, 4 com nuvens e sol, 2 dias só com nuvens e 1 dia de chuva.
As conclusões não se fizeram esperar.
" A coluna do sol é a mais forte de todas porque tem mais quadradinhos" - Ibraíma
"Pois o sol é o maior. Está sempre a ganhar!"- Rodrigo
"Coitadinha da chuva, é mesmo muito fraquinha. É só uma..." - Leonardo
-Então e se nós juntarmos os dias que não foram de sol, acham que o sol ainda vai ficar á frente?- Perguntei
Acho que sim - diz o Rodrigo - porque as outras filas são muito pequenuchas.
Para termos bem a certeza, o Igor propôs que atribuíssemos um nº a cada quadradinho de sol. Foram numerados de 1 a 12. Os outros itens só foram numerados de 1 a 7. Como a Kyra e o Christ (4 anos), não conseguiram perceber o raciocínio dos mais velhos, acabámos por recortar todos os quadradinhos e colá-los apenas em duas colunas paralelas.
"Os do sol são mais"- Disse a kyra
"A fila do sol é a «mais maiorre»- Diz o Christ, que vem do Gana
No mapa das presenças, queríamos descobrir quem é que tinha faltado mais à escola e quem é que tinha faltado menos. Para isso percorremos, fila a fila a contar as bolinhas pretas referentes aos dias de falta. Descobrimos que o Igor, a Érica, o Pedro, a Lia, a Cátia e o André nunca faltaram à escola , e por isso tinham 0 faltas ou nenhuma, e que as meninas que faltaram mais foram a Denise e a Kyra...
Quando acabámos de contar as faltas, quisemos saber quantas faltas havia ao todo. Descobrimos que a conta era muito difícil de fazer porque os números eram tantos, que nenhum dos meninos os conseguia contar. Então o Leonardo lembrou-se "do jogo de fazer contas"(O Ábaco), e depois de se terem dividido em grupos de dois, recomeçaram a percorrer as filas de cada menino só que em vez de escreverem o nº num papel, empilhavam as peças equivalentes ao nº das faltas no ábaco. Fartaram-se de discutir, de argumentar, quem é que tinha mais peças, quem é que tinha menos, compararam alturas, contaram e recontaram as peças, enfim a discussão esteve acesa e, finalmente concluíram que a equipa que somou mais peças, foi a equipa Ibraíma/ Teresa que contabilizou 22 peças. E o mais espantoso é que com a ajuda do ábaco, e uma mãozinha minha, a equipa Igor/ Rodrigo, já conseguiu, em conjunto, chegar ao nº final de 61 faltas.
No final eles estavam tão felizes que levaram o resto do dia a brincar às contagens...
Mais uma vez pude constatar que a comunicação tem um papel fundamental na compreensão e que as crianças compreendem melhor se tiverem oportunidade de explorar tarefas, de partilhar experiências, de discutir, de confrontar as suas ideias e conclusões com as de outros, e de experimentar estratégias para a resolução de problemas.
A matemática está longe de ser "um bicho – de – sete - cabeças". Basta ver um grupo de crianças em interacção !!!”

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Estratégias


No grupo dos mais velhos, as letras continuam na ordem do dia. Agora, que se começa a falar de natal, o Leonardo pediu para escrever: "Pai Natal, vem depressa que eu tenho muitas saudades tuas", para ele poder transcrever para o seu desenho. Claro que os amigos se sentaram à sua volta e estiveram a transcrever ao mesmo tempo que ele.
A Mariana, uma menina de três anos, sentada na mesa ao lado, observou tudo com muita atenção. Quando eles deram a tarefa por terminada, e foram brincar para outro sítio, ela, muito sorrateiramente, foi buscar uma folha e pôs-se copiar a frase. Após muitas tentativas frustadas, porque não conseguia desenhar as letras, em vez de desistir, como eu pensava que ela faria, a Mariana, pegou na folha "modelo", onde eu tinha escrito a frase, e desenhou uma série de risquinhos paralelos, que depois "copiou" para a sua folha. Em seguida, com um grade sorriso, veio ter comigo e disse: " vês, Luz, eu também escrevi ao Pai Natal. Aqui diz: "Pai Natal, eu gosto muito de ti. Beijinhos da Mariana".
Grande Mariana!

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Letras e jornais...


Eles continuam intrigadíssimos com as letras e elas surgem por todo o lado.O Rodrigo escreve palavras, a Lia e o Leonardo filas de letras sem fim. O Igor quase que escreve frases, e o Rodrigo Simões, que é do grupo dos pequeninos, no meio de tanto entusiasmo, começa a rabiscar o nome.
E eu fico espantada com as descobertas e orgulhosa com as conquistas.
Hoje falámos de jornais. Quando perguntei se eles sabiam o que é um jornal e qual a sua função, as respostas surgiram prontas:
-Quem lê o jornal é o avô.- Diz o Rodrigo Machado
-O meu pai também lê, porque o jornal traz notícias do sporting.-André
-O jornal é feito por muitas letras que se podem ler- Diz a Lia
Como é que são as letras que se podem ler? Então as letras não são todas para ler?-Perguntei.
-São.- diz o Igor-Mas às vezes não se conseguem ler porque só escrevem coisas malucas.
- Para se lerem têm que estar muito juntinhas, mas juntinhas aos bocadinhos. Se não estiverem aos bocadinhos, não se podem ler porque não dizem nada, como aquelas que eu às vezes escrevo e tu não consegues ler.-Leonardo
-Quem sabe o que é que está escrito no jornal?-Pergunto
-Eu sei. Acho que os jornais falam igual ao telejornal. Dizem a mesma coisa. Mas só os pais e as mães é que gostam do telejornal. As avós não gostam muito. -Leonardo
-Eu acho que o jornal tem notícias do futebol.Quando o meu pai lê essas notícias fica sempre a discutir com os amigos. Eu não gosto que ele leia o jornal.- Igor
-A minha mãe é que lê o jornal. O meu pai só vê televisão. - Mariana
-Ó Mariana, tu estás enganada! Os pais é que lêem o jornal. As mães só lêem revistas -Leonardo
-O meu pai lê noticias do Benfica- Diz o Christ
-O Alex é do "Bichica"(benfica) - Alex
São um espanto, não são?

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Brincando com a matemática


Na nossa sala andamos muito entusiasmados com a matemática.
Estamos a aprender o nome das formas geométricas e vamos explorando e brincando com os blocos lógicos. Assim desenvolvemos as capacidades de discriminação e memória visual.Também nos ajudam a classificar formas geométricas e a conhecer as suas propriedades.
Começámos por os explorar livremente. Assim percebemos quais as suas principais caracteristicas e podemos organizá - los segundo as nossas próprias observações. Depois fizemos jogos de grande grupo em que adivinhámos quais as peças escondidas, jogámos ao jogo das diferenças,dos opostos, agrupamos segundo tamanhos, cores,formas e ainda vamos explorar as espessuras. No ginásio jogámos ao jogo das figuras e ao acerta na figura. Agora estamos a explorar as tabelas de duas entradas e para isso temos que classificar as figuras segundo duas caracteristicas. E sabem uma coisa, práticamente já todos conseguimos pensar bem e colocar as figuras no sítio certo.
Também construímos padrões, primeiro partindo de modelos dados, e agora já o fazemos livremente.
A Luz está muito contente com o nosso desempenho!...
Estamos a ficar mesmo muito crescidos!
Querem ver os nossos trabalhos?


segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Alimentção saudável


Hoje, no jardim de Infância, tivemos uma visita muito especial. A Drª Maria, que é a nutricionista da Câmara Municipal da Amadora, veio contar-nos uma história sobre alimentação saudável, e falar-nos da importancia da sopa na nossa alimentação.
Aprendemos muitas coisas; Como é que se faz uma sopa, porque é que a sopa é importante para a nossa saúde, falou das leguminosas, disse-nos que os legumes e as frutas são muito ricos em vitaminas e sais minerais,que as frutas e os legumes mais coloridos são os mais saudáveis.
Também aprendemos que as melhores sopas são as que têm legumes inteiros, que nos obrigam a mastigar, pois mastigar é muito, muito importante!!!
Por fim deu-nos uma notícia que nos deixou muito felizes. Explicou-nos que comer pizza também pode ser saudável pois a massa da pizza é feita com os ingredientes do pão e a pizza leva muito tomate queijo e outros legumes. Só não se devem comer as pizzas que têm muito chouriço e bacon.
E nós prometemos que a partir de hoje, nunca mais nos vamos esquecer de comer sopa inteira e de a mastigar muito bem, para ficarmos com musculos muito fortes na nossa boquinha.
Ah!... já me estava a esquecer, hoje, quando chegámos à mesa e vimos a sopa de espinafres, sentámo-nos com muito juízo, mastigámos os espinafres e comemos a sopa toda.
Ainda bem que a Drª Maria nos veio visitar!!!

domingo, 16 de novembro de 2008

Dia mundial do Mar

Para comemorar o Dia Mundial do Mar, trabalhámos a lenda do mar da autoria de Raúl Brandão. É uma lenda que me comove sempre. Querem saber como é?


A Lenda Do Mar
View SlideShare presentation or Upload your own. (tags: mar)

sábado, 15 de novembro de 2008

Baralhados...


A Sónia (estagiaria do 3º ano), preparou e contou a história do S. Martinho. A um dado momento contou que, "o S. Martinho encontrou um homem muito pobre, que andava a pedir esmola. Perante a palavra esmola eles olharam uns para os outros, como se não tivessem percebido o que era. No fim eu perguntei:"Filhos vocês sabem o que é esmola? ". O André, despachado como só ele sabe ser,respondeu prontamente: "Eu sei Luz;As molas é o que a minha mãe pôe na roupa!"
Ai, a Língua Portuguesa...

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Maria Castanha

Amanhã é dia de S.Martinho e como agora na nossa sala só se fala em fantoches, decidimos fazer o fantoche da Maria Castanha.
Distribuímos as castanhas, escolhemos dois botões iguais para os olhos, desenhámos o nariz,colámos a boca, cortámos, dobrámos, atámos e colámos os cabelos, colámos uma palhinha grossa atrás e o nosso fantoche ficou pronto. O Leonardo foi logo para a casinha dos fantoches brincar.
Hoje os fantoches ficaram a dormir na escola, porque amanhã é que é a grande festa, mas amanhã já vão connosco para casa.
Bom dia de S. Martinho para todos vós...

Como demorámos um bocadinho a editar a mensagem, o dia de S.Martinho passou e nós fizémos o magusto. Por isso também juntámos algumas fotografias da festa. Querem ver?


domingo, 9 de novembro de 2008

Um teatro de fantoches

O Igor escreveu a história da galinha que tinha medo de perder os filhos. É uma história muito engraçada e queremos mostrá-la aos outros meninos. Como é que a podemos mostrar?
-Podiamos fazer um teatro de fantoches.- Diz o Rodrigo.
É isso mesmo, vamos fazer um teatro de fantoches. E como é que vamos fazer isso? O que é que vamos precisar?
-Um "fantocheiro".- Diz o Leonardo
Como é que o vamos construir?
-Podia ser com um caixote.- Sugere a Leonor.
Fomos à arrecadação e procurámos a caixa que nos convinha. Com a ajuda da Sónia, cortámos, pintámos, colámos e "voilá",o nosso "fantocheiro" ficou pronto.
Depois foi preciso fazer os fantoches. Com os materiais de desperdício que tinhamos na sala já fizemos a mãe, um filho e o galo que ainda não sabemos bem que personagem será. Talvez venha a ser o dono do café e o motorista do autocarro que leva a mãe e os filhos à praia.
Este trabalho está a ser muito engraçado, mas ainda não tem o fim à vista. Vai ser muito bom continuar a trabalhar nele...


quinta-feira, 6 de novembro de 2008



O Igor está de parabéns, não está?...

Em maré de histórias...

Estamos sempre em maré de histórias...
Nunca nos cansamos de ouvir, nunca nos cansamos de contar...
Eu conto, eles ouvem, eles contam e eu gosto de ouvir.
Agora chegou o tempo de criar e as histórias que eles criam são o retrato vivo das suas vivências, do seu dia a dia. E eu consolo-me a ouvir...É fantástico como eles são genuínos e criativos. E eu pasmo perante a criatividade...
Que sorte tenho em poder conviver com eles cada dia!!!

domingo, 2 de novembro de 2008

Recomeço...

Tenho mesmo que recomeçar...
Está a ser um arranque difícil. Há qualquer coisa que não joga aqui...Não sei se é a cor, não sei se é o nome... Provavelmente são os dois...
Acho que descobri: O que não joga é provavelmente o facto de ter pensado nisto sózinha, esquecendo-me de pedir a opinião das crianças. E o blogue é feito a pensar nelas. Portanto vou perguntar-lhes e começo de novo!
Por aqui vou-me limitando a deixar comentários...nada de importante!!!

terça-feira, 10 de junho de 2008

Um passo à frente,outro atrás...

Não me tem sido muito fácil manter este blogue activo...
Queria que ele fosse um diário das nossas actividades de Jardim de Infância, mas as solicitações são tantas e como ainda tenho um bocadinho de dificuldade de manusear esta nova ferramenta, acabo por me perder...
Não posso no entanto perder o trabalho feito no âmbito do Plano Nacional de Leitura e que culminou com a nossa ida à biblioteca «dos grandes», ou seja, da sede do Agrupamento. Eles gostaram muito de lá ter ido,pois foram muito bem acolhidos. Exploraram, manusearam e sentiram-se em casa.
O pequeno passo de hoje é o de colocar aqui as conclusões deles em relação ás bibliotecas.
Será que vou conseguir?...

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Uma História de gatos

Mais um pequeno passo...
No âmbito do Plano Nacional de leitura, e para comemorar o Dia Mundial do Livro Infantil (2 de Abril), na nossa sala lemos o livro«Desculpa, por acaso és uma bruxa?», que fala da importância do livro e das bibliotecas. Na sequência desse trabalho, criámos uma história redonda à qual chamámos «Os dois gatos»
O pequeno passo de hoje é colocar a nossa história aqui neste blogue ainda no início.
espero conseguir...

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Pequenos Passos

Pequenos Passos...
É mesmo assim que vai ser, com pequenos passos.
Pequenos passos, porque é uma nova aventura, nunca antes experimentada.
Pequenos passos porque será construído, dia a dia com os passos dos protagonistas, que ainda estão a crescer.
Pequenos passos, porque só assim se consegue ir muito longe.
Pequenos passos...
...Primeiro um...
...Depois outro...
Até tocar o infinito, até a realidade ser a imagem fiel de cada sonho!