quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

E agora?...

Hoje deparámo-nos com um novo desafio, para o qual ainda não encontrámos solução...
Logo de manhãzinha o Gustavo Martins trouxe-nos um presente de Natal.  Era uma árvore de Natal, feita de bolachas em forma de estrela e a massa era de pão de gengibre e massapão. Um apetite!... Ele, com os olhitos a brilhar de felicidade entregou-me o saco e disse com o seu jeitinho despachado:
"É para partilhar com todos e temos que comer hoje."
 Mas acabámos por não comer... Querem saber porquê?

(Olhem lá se não é mesmo um apetite?)


Eles gulosos como são ficaram logo muito entusiasmados. Surgiu então o problema...
"Como é que acham que podemos dividir a árvore?" - Perguntei
"Damos uma bolacha de estrela a cada um" - Sugeriu o Hugo
("Eu quero a "mais do fundo" de todas!"- Disse o Rodrigo que não é nada pateta...)
"Está bem. Mas primeiro vamos contar as bolachas, os meninos e os adultos, para ver se chega."- Disse eu com a minha mania das igualdades.
E contámos, mas só havia 12 bolachas e nós somos 27. Como é que vamos resolver o problema?
"Isso é fácil, faz-se como em casa da minha avó quando as coisas não chegam. Partem-se ao meio e já ficamos com mais"- Sugeriu o Gonçalo.
Então, para ver se chegavam, agarrámos num papel e fizemos as contas...

                        

(Não, não são borboletas. São as bolachas partidas partidas ao meio e as bolinhas na ponta do risco são os meninos que comem as bolachas. As 3 bolinhas no fundo sou eu, a Ivone e o Leandro que hoje não veio à escola)
Mas mesmo assim não chega. Partindo as bolachas ao meio ficamos com 24 meias bolachas (e o Rodrigo continua a querer a do fundo) e nós somos 27, portanto não chegam. E se as partirmos em três padaços ficamos com 36 pedaços e vão sobrar muitas, mas não as suficientes para todos repetirem outra vez. E agora?
Acabámos por não comer a árvore de Natal. Vamos ver se amanhã conseguimos resolver o problema, porque as bolachinhas cheiram mesmo muito bem e apetece mesmo comê-las...
Será que por aí há alguem que nos possa ajudar a resolver este problema?

 

7 comentários:

Laura Rodrigues, Ed. disse...

Bom dia!
É assim mesmo, no pré-escolar tudo é possível, e quando observo atentamente estas actividades matemáticas utilizando a experiência de vida...delicio-me.
A lógica matemática está em cada canto na brincadeira depende da criatividade de cada um e colocá-la ao dispor dos mais pequenos.
Parabéns Luz...parabéns merecidos.
Laura Rodrigues

Gabriela disse...

Já encontrei uma solução. Podem dividir cada bolacha em três pedaços e assim gastam 27 pedaços e sobram 9 pedaços. Esses 9 pedaços podem ser enviados para o Jardim de infância do Vale do Porto. Como nós somos 18, partimos os 9 pedaços ao meio e ficamos com 18 e já dá apenas para nós provar-mos essa especialidade. O que acham desta solução?
Bjs

Anabela disse...

Eu também não comeria uma árvore tão bonita!!!!!!!!!!!
Mas, um dia, vai ter de ser comida, e tenho a certeza que haverá uma solução !
Ficar com a bolachinha do fim , é uma boa ideia (risos)Bjs pra eles e para ti

M. Jesus Sousa (Juca) disse...

Parece que me atrasei a passar por cá... por esta altura já resolveram o problema, ou não?

Se ainda não, aqui vão as propostas da Sala Fixe:

- Pedir ao Gustavo para trazer mais uma árvore, com as bolachas que faltam;

- Se não for possível, e se não se estragar, esperar por um dia em que faltem à escola 3 meninos.

- Em último caso podem sempre mandar para cá... nós somos só 17 e assim ainda sobravam!

Grandes problemas, grandes aprendizagens, bom trabalho!

Bjs, Juca e Sala Fixe

Isabel Preto disse...

A árvore é linda...tão linda, que custa a desfazer-se dela! Foi como quando o Gonçalo me trouxe o Anjo...dava vontade de o guardar na minha sala, mas depois pensei que não era justo e lá a deixei ficar no CRE, onde todos o podem ver, sem estragar.
Quanto á divisão...façam como tinha decidido e os pedacinhos que sobram dão às auxiliares, que mais merecerem ou deixam para o "Pai Natal", quando for visitar os meninos.
Beijinhos.

rute moura disse...

Linda árvore e lindas aprendizagens matemáticas e de partilha. Fantástico, Luz. bj

Margon disse...

Olá a todos!
Não há como os problemas do dia-a-dia para viver e conviver com a matemática.
Compreendo o vosso dilema, pois, eu também teria muita dificuldade em arranjar uma solução. A árvore parece tão apetitosa...que se calhar o melhor era fazerem mais umas quantas e terem o prazer de comer mais "estrelas do fundo".
Se continuarem a tentar dividir esta árvore, pois não se esqueçam do Pai Natal e dos duendes, que na de Noite de Natal bem precisam de um reforço especial.
Parabéns ao Gustavo e à mãe
Parabéns aos pequenos matemáticos e à Luz.
Beijinhos para todos